O implante dentário é um tratamento simples que promove a recuperação integral de um dente perdido. Durante o tratamento, o dentista instala no tecido ósseo um parafuso de titânio onde uma prótese será rosqueada.

O implante dental funciona como uma raiz artificial e pode ser colocado tanto na parte superior (osso maxilar) quanto na parte inferior (osso mandibular). O titânio é um material biocompatível, ou seja, não provoca reações adversas permitindo que o implante seja de caráter permanente.

Como o implante é integrado ao osso, ficando fixo (osseointegração), o paciente consegue recuperar todas as funções do dente, promovendo assim a melhoria da mastigação, da deglutição, da fala e, obviamente, da autoestima do paciente.

Existem diversos tamanhos e espessuras de implante, sendo necessário através de uma tomografia avaliar caso a caso. Além disso, esse tipo de tratamento dentro da odontologia conta com uma alta taxa de sucesso de reabilitação, sendo um tratamento altamente eficaz.

Todos os pacientes podem fazer implante?

Todos os pacientes podem fazer desde que seja feita uma avaliação rigorosa do estado de saúde do paciente. Pacientes com doenças sistêmicas descontroladas (por exemplo: cardiopatas, diabetes, hipertensão) estão contra-indicados num primeiro momento. No entanto, se esses pacientes controlarem essas enfermidades eles se tornam aptos a receber implantes.
Pacientes fumantes também merecem uma avaliação rigorosa pois o cigarro pode interferir na cicatrização dos implantes.

Importante lembrar que pacientes que são reabilitados com implantes precisam fazer manutenção periódica com dentista. A mesma doença que dá nos dentes deixando-os mole (doença periodontal) pode dar nos implantes (doença perimplantar) de forma até mais rápida.